início     quem somos     fundamentos     paisagens partilhadas/territórios educativos     fale conosco

labcidade     núcleo estudos da paisagem     paisagem e participação     um longo percurso     pesquisadores     áreas das ações










O Núcleo de Estudos da Paisagem e da Cultura (NEP) foi criado em 2003 pelo professor Euler Sandeville partir dos princípios da Espiral da Sensibilidade e do Conhecimento (2002) e da proposição de compreensão da paisagem como construção social e como experiência partilhada e estética (sensível/afetiva), com o objetivo de realizar estudos da cidade, da natureza e da cultura na perspectiva de um esforço colaborativo e interdisciplinar de trabalho (pesquisa, ação, reflexão, aprendizagem) e de crítica da cultura contemporânea em uma perspectiva histórica.

O NEP mantém desde sua criação duas linhas de pesquisa:

A partir de 2007/2008 adotamos em nossas frentes de trabalho um foco estratégico na região paulistana, promovendo estudos e ações sobre desenvolvimento local, autogestão, dinâmicas ecológicas e sociais, processos participativos para a qualificação das paisagens e suas dinâmicas ambientais e sociais, com foco na integração ambiente, educação, saúde, cultura. Um importante resultado desses trabalhos com moradores, instituições públicas e movimento sociais foi o projeto Universidade Livre e Colaborativa, em especial na BrasiLândia, Atibiaia, Heliópolis e Perus, e a criação no Plano Ditetor de 2014 do instrumento urbanístico inovador dos Territórios de Interesse da Cultura e da Paisagem (TICP), sendo criados na ocasião dois Territórios: o Paulista Luz e o Jaraguá Perus.

O grupo de pesquisa reúne uma ampla diversidade de pesquisadores de diversas áreas de formação que atuam colaborativamente em um programa integrado de trabalho, incluindo bolsistas de pré-iniciação científica, bolsistas de iniciação científica, de mestrado, de doutorado e de pós-doutorado, além de pesquisadores populares e outros colaboradores. As pesquisas integram-se em grupos de estudos que organizamos buscando articular a compreensão local em uma compreensão de conjunto do setor urbano e de vetores e processos mais amplos que o impactam, ou mesmo em estudos temáticos de natureza histórica sobre as representações sociais e construção de saberes sobre a paisagem. As abordagens estabelecem uma articulação entre as pesquisas, disciplinas de graduação e pós-graduação e outras atividades colaborativas ou de formação.


E agora? O que fazer com essa responsabilidade toda? Ilustração de Willian Steig para Escute, Zé Ninguém! (Reich 2007)




      

^ retornar ao início da página


uma proposta de Euler Sandeville Jr.


leia em "sobre" a Licença de Uso ↑ do material deste sítio
cite o conteúdo que utilizar deste sítio conforme indicado em cada artigo ou veja aqui modelo ↑ geral
utilizamos na edição deste sítio software livre
Entre em contado conosco ↑